Beatrice: «Eu peço desculpas. Como você está Anna-san? Bom, de alguma forma eu estou bem.»

«Desculpe por não ter respondido até agora. Todas as cartas chegaram até mim, mas eu não tive coragem de encarar a realidade contida nelas e continuei fugindo.»

«Eu me foquei apenas em continuar lutando ao máximo todos os dias, fazendo isso eu não precisaria pensar em mais nada.»

«Que coisa, eu não deveria fazer isso. Eu não acho que seja o que chamam de death flag, mas só fui perceber isso recentemente.»

«Eu percebi que deveria seguir em frente sem olhar mais para trás.»

«A Major Wittenburg já não está mais entre nós. Em horas como essa ela dizia que eu precisava seguir em frente. Aqueles que buscam abraçar os mortos apenas acabam por adoecer. Ela provavelmente diria isso e acabaria me batendo. Sim, eu consigo facilmente imaginar isso.»

«Por isso, eu tenho que me levantar, erguer o rosto e continuar em frente. Eu ainda gostaria de sentir os punhos de ferro dela, mas aquilo dói. O soco dela não é nada feminino.»

«Bom, eu sou bem bonita, não? Então não seria legal seu eu ficasse parecendo um panda, certo? As Valquírias devem ser lindas para continuarem a manter a moral de nossos soldados.»

«Realmente, todos são grandes idiotas que ficam empolgados e sem saber o que dizer no momento em se deparam com uma linda mulher. Mas a forma como sorriem mesmo depois de levantar da lama é inegavelmente legal. Eu amo isso.»

«Por isso, eu gostaria de me tornar uma luz para guiá-los e conduzi-los em seus caminhos para que aqueles sorrisos nunca desapareçam.»

«Eu posso estar me vangloriando um pouco, mas esses são os meus mais honestos sentimentos.»

«Anna-san, você também sempre se preocupou comigo quando perdemos a Major Wittenburg, e eu estava completamente perdida, e gostaria de fazer algo por você.»

«Por isso, eu espero que essa carta chegue a tempo, mas… Ouça isso, ele está voltando!»

Anna: “Hã……?”

Beatrice: «Vamos, daquele batalhão super famoso? Mais uma vez ele conduziu a batalha de forma sobre-humana, e recebeu pessoalmente uma medalha do Führer. Não ficou sabendo?»

«E ele está voltando temporariamente para Berlim. Eu ouvi isso diretamente dele, então não tenho dúvidas.»

Anna: “Espera……”

Beatrice: «Mas sabe, ele é não te disse nada, não foi? Francamente, como mulher, se eu estivesse no seu lugar, eu iria falar com ele diretamente sobre isso. Você não pode deixá-lo escapar.»

«Ele deve ficar com um tempo livre depois que a cerimônia terminar.»

«Essa vai ser a sua chance de fazer isso e aquilo, mufufu… Faça ele contar tudinho.»

«Ele deve estar de volta lá pelo dia 15 de junho, ou foi o que eu ouvi.»

Anna: “——Espera, é hoje!”

Beatrice: «Faça com que a chuva vermelha de Berlim se divida em duas. Você se lembra do significado, certo? De um ponto de vista feminino, tem um lugar para onde todo esse sangue vai.»

Anna: “~~~~~~!”

“O tempo que você passou nas forças armadas apodreceu seu cérebro!”

Beatrice: «Anna-san, você ainda é virgem, não é?»

Anna: “Sua invejosa!”

Beatrice: «Eu? Ufufu… o que você acha?»

Anna: “Como se eu me importasse! Pare de ser pretensiosa, idiota!”

Beatrice: «Então é isso, boa sorte! Ah, por acaso você já começou a correr?»

«É melhor se apressar, ou melhor, ele e o nosso valioso herói parecem estar em uma relação suspeita! Você deveria agir logo!»

«Aquilo… como eu posso dizer? Uma relação entre homens nas linhas de frente que me faz ficar empolgada, e que passou a me agradar cada vez mais… Parece que eu despertei um gosto realmente estranho.»

«É melhor você se apressar e colocar as mãos nele antes que algo possa acabar acontecendo.»

«Kyaa, é como o Tiger da Noite, não parece?»

«Espera, o quê? Por acaso nunca ouviu falar?»

«Bem, em todo caso, eu desejo boa sorte em sua batalha, companheira.»

«Nós podemos estar distantes agora, mas estarei sob o mesmo céu, orando por sua vitória.»

«Beatrice Waltrud von Kircheisen.»

Anna: “Não tenho mais tempoooooo!”

Anna: “Ah ah ah —— droga aquele idiota!”

Falando dessa forma imprópria, eu comecei a correr em velocidade máxima.

Por que eu estou tão apressada? Por que eu estou tão confusa? Bem, é tudo por causa daquele dia.

Lotus: “Eu decidi ir para o fronte, Anna.”

Aquilo foi no dia 22 de julho de 1942… Em um dia ensolarado, após o assassinato do General da SS Reinhard Heydrich.

Ele, que trabalhava no Escritório de Patrimônio Cultural, foi transferido para a linha de frente, quando a realidade que era aquele festival conhecido como guerra estava em seu auge — foi no momento em que eu só podia ver algo muito além e distante.

Lotus: “Eu conheci uma pessoa interessante. Ele está voltando agora devido a um ferimento… enquanto conversávamos, decidimos entrar para a academia militar juntos.”

Não estou ouvindo. Não estou ouvindo. Eu não entendo o que ele está dizendo. Ele fica falando sobre seu novo amigo, mas nada disso entra nos meus ouvidos.

Por isso, se eu continuar sem dizer nada…

Lotus: “Até mais, eu estou indo.”

Tudo o que eu pude fazer foi vê-lo partir para a Frente oriental naquele ano, quando ele se graduou na academia.

O que eu devo fazer se essa tiver sido a última vez que eu o vi? Eu não quero ter que imaginar isso… Por isso eu sinto que devo fazer algo agora, caso contrário eu não conseguiria aguentar esse sofrimento…

Eu fui deixada para trás, sentada naquele piso frio.

Lotus: “Oi, Anna, há quanto tempo.”

Mas o destino fez com que ele voltasse. Aquele amigo que ele havia mencionado se tornou um grande soldado, e logo receberia uma medalha do Führer por ter destruído incontáveis tanques inimigos.

Embora eu estivesse feliz por ter conseguido ver ele mais uma vez…

Anna: “Seu amigo parece estar muito à sua frente. Não acha que já está na hora parar de se referir a ele tão casualmente?”

Lotus: “Fica quieta, me deixa.”

Eu fiquei realmente aliviada por ele dizer aquelas palavras.

Mas eu não fui capaz de tocar a sua mão…

Lotus: “Mas você está certa, o Michel é incrível. Eu não consigo me imaginar perdendo enquanto estiver ao lado dele.”

Ele disse isso enquanto ria, mas eu consegui perceber.

Heróis não têm tempo para descansar. A forma como a guerra se agravava nunca iria permitir isso.

Por isso, mesmo estando assim, ele continua em perigo. Pessoas comuns que tentam voar lado a lado com heróis acabam tendo suas asas queimadas.

Eu não quero ver isso acontecer…

Anna: “Ah, ah, ah…”

Lotus: “——―hm?”

Lotus: “O quê? O que foi, Michael?”

Anna: “Lotus…!”

Lotus: “Hã???”

Anna: “Ei, Lotus, vem comigo!”

Lotus: “Uowaa! —— Ei, o que foi que aconteceu?!”

Anna: “Só vem!”

E agora, eu finalmente o peguei.

Embora eu realmente não tivesse pensado no que faria depois disso.

Mas eu sabia que não poderia continuar assim, e finalmente reuni coragem.

Sim, coragem.

Eu gosto dessa palavra em si, mas não é o tipo de expressão que eu diria.

Ela parece quase como uma desculpa por ser incapaz de tapar algo que você sempre teve, tentando rejeitar seu passado.

É incrível o que você pode fazer quando está sério. De uma maneira simples, parece uma forma inútil de tentar animar alguém depois de seu fracasso. Eu já ouvi que existem pessoa que tentando alcançar seu verdadeiro potencial via hipnose, mas eu pessoalmente odeio pensar dessa forma.

Então, se alguém tiver alguma objeção, fique à vontade.

Bem, não é como se eu pretendesse debater sobre isso.

Afinal, gostar de si mesmo depende apenas de você, e nessa situação crítica da minha vida, eu quero poder confiar na minha teoria.

Até porque eu tenho que confiar mais em mim para a próxima batalha que está por vir, certo?

Por isso…

Anna: “Que tal?”

Eu reuni a pequena coragem que havia em meu peito, e então parti para a minha própria guerra.

Meu maior inimigo é a minha própria covardia, que continuava a me segurar e escolhia se manter atrás dessa parede que trazia uma falsa segurança.

Esse era um inimigo muito poderoso. Uma vitória contra ele seria tão difícil quanto aquela da Batalha de Villers-Bocage.

Mas eu não quero perder. Eu quero vencer. Além disso, esse homem é um dos que sobreviveu a aquela batalha.

Anna: “Você está planejando ir de novo, não é? Então…”

Eu finalmente peguei na sua mão, e agora eu não pretendo soltá-la tão facilmente.

Anna: “N-Não tem como um homem comum com você continuar voltando de batalhas como aquela. E-Então, eu pensei que seria miserável se você acabasse morrendo sem… Você não sente vergonha de não deixar nenhuma boa memória?! Ao menos seja grato por isso!”

“…………”

Anna: “Ao menos diga que está feliiiz!”

Eu soquei seu peito porque estava envergonhada e com vontade de fugir, e não queria que ele percebesse. Foi a primeira vez que eu o toquei dessa forma, mas ele parecia ser um cabeça-dura ainda pior do que imaginei, e senti como se eu fosse desmaiar.

Lotus: “Anna… você chegou gritando de repente e eu pensei que alguma coisa tinha acontecido…”

Lotus Reichhart, um soldado alemão comum, sem fama em seu nome e nenhum fortuna.

Duvido que ela faça algum sucesso mesmo. Da forma que ele é, eu consigo ver ele atraindo mais pobreza e desgraça.

Honestamente, isso me faz questionar seus status como homem. Mas mesmo assim, eu simplesmente não consigo tirar ele da minha cabeça.

“Eu preciso voltar logo para o escritório.”

Anna: “Você é idiota? Um imbecil? Você quer mesmo passar a noite com o Tiger do seu herói? Aquele homem só sabe matar pessoas, e mesmo assim você continua andando atrás do rabo dele como um cachorrinho!”

Lotus: “O Michael não é esse tipo de cara.”

Anna: “Cala a boca! Eu odeio ele!”

Eu lembrei das circunstâncias que nos levaram até aqui e percebi toda a confusão que causei, mas eu sabia que esse seria o nosso último encontro. Por isso, mais do que nunca, eu queria alcançá-lo.

Naquele momento, eu não queria deixar que a minha pequena coragem começasse a desaparecer.

Eu tenho que fazer o meu melhor para realizar meus desejos e fazer com que esse momento se torne uma lembrança de verdade.

Anna: “Cruz de Cavaleiro da Cruz de Ferro? Quantas você precisa?! Vocês só estão sendo usados como propaganda porque já estão próximos de perder essa guerra idiota!”

Ele estava tão cheio de si que parou de se importar com os meus sentimentos.

Anna: “Tudo que sai da sua boca é “Michael” “Michael”! Isso está me deixando louca.”

Lotus: “Qual o problema de se orgulhar do seu amigo?”

Anna: “Eu estou falando de você!”

A minha voz já estava trêmula, a um passo de chorar. As respostas despreocupadas dele eram provavelmente um truque para me acalmar, mas eu não vou cair nisso.

Eu já presenciei como a guerra pode tirar vidas em um piscar de olhos.

Anna: “A Eleonore morreu ano passado. Ela era uma pessoa tão forte e mesmo assim não sobreviveu. Como você acha que um fracote como você vai sobreviver. Você pode achar que está sendo legal, mas isso só faz com que pareça idiota. Por isso, ao menos agora…”

Lotus: “O que foi?”

Anna: “V-Você pode me mimar um pouco!”

Eu pratiquei essa fala muitas vezes, mas mesmo assim acabei gaguejando. A minha voz tremeu. Eu só queria que me esconder dentro de um buraco.

Eu pratiquei para que parecesse maduro, como uma mulher mais confiante.

Anna: “N-Não ria!”

Eu bati no peito dele mais uma vez. Agora eu já estava mesmo agindo como uma criança.

Uu, é tudo culpa do meu corpo de criança. Por que ele não cresce logo?

Eu não consigo nem seduzir esse homem da forma como eu queria.

Mas agora eu não posso olhar para trás.

Lotus: “Se quer que eu faça isso, seria melhor se você tivesse peitos um pouco maiores.”

Anna: “O que você está dizendo? São mais do que o suficiente para você! Não entende a posição em que está?!”

Lotus: “O que quer dizer?”

Anna: “A-A-A-Afinal, você é virgem!”

Lotus: “……………”

Anna: “Hã? Espera? Não é?”

Lotus: “……Bem…”

Anna: “Eiiiii, você está rindo de mim!!!!”

Isso é um pouco demais… Como eu poderia imaginar esse desenvolvimento?

Ei, Deus, você é um demônio?

Lotus: “Ai, idiota! Pare de me arranhar!”

Anna: “Quando?! Onde?! Com quem?!”

É aquilo? Ele atacou alguma garota de alguma vila enquanto estava nas linhas de frente? “Ah, a colheita de hoje foi das boas”, assim como alguém mercenário diria antigamente?

Anna: “N-Não, não é isso. Ela não é um degenerado que faria isso.”

Lotus: “O que você está insinuando com isso?”

Anna: “E-Então… é aquilo…?”

Outra mulher do exército. Eu ouço histórias sobre quando dois homens se juntam para se divertir, e por não estar completamente sãs, acabam gerando tal desenvolvimento.

Anna: “Michael, seu desgraçadoooooo!”

Lotus: “Por que você está falando o nome dele de novo? Além disso…”

O traidor olhou para cima no momento em que eu o agarrei com as minhas duas mãos, só isso. Nossos olhos apenas se encontraram e eu fiquei em silêncio, completamente sem salvação.

Lotus: “E quando a você?”

Anna: “E-Eu?”

Lotus: “Sim, comece a falar.”

Anna: “I-Isso é, bem…”

Ele tinha mesmo que perguntar isso?

Anna: “B-Bem, dez ou vinte, com certeza. A fofa Anna da taberna é muito popular. Eu nem me lembro mais quantos homens já me pediram por uma última doce memória antes de partirem.

Lotus: “…………”

Anna: “P-Por que está me olhando assim? Não acredita? As pessoas até chamam eu e a Beatrice de “Chuva Vermelha de Berlim”!”

Lotus: “Mas eu nunca vi ela com nenhum homem.”

Anna: “Bem, comigo acontece! Eu sou super popular! Os homens sempre estão vindo atrás de mim!”

Lotus: “Então, por que você está se preocupando com alguém como eu?”

Anna: “Como você pode ser tão idiotaaaaa!”

De tempos em tempos, eu não conseguia pensar em nada além de que ele estivesse fazendo isso de propósito.

Como não temos nos encontrado muito, ele nunca prestou muita atenção em mim, ao ponto de eu me preocupar se ele na verdade não me odiava.

Anna: “Ei, eu sou um incomodo?”

Isso me faz com que eu diga coisas embaraçosas às vezes.

Lotus: “Não é isso, mas pelo contrário, eu sinto que isso pode trazer má sorte.”

Anna: “Então, quando essa guerra acabar, vamos começar a fazer isso e aquilo? Por que isso faz parecer que você vai não está nenhum pouco a fim.”

Lotus: “Hm, não… bem, você tem razão.”

Anna: “Além disso, não foi você mesmo que disse que devíamos viver o presente?”

Eu lembro dele ter dito isso naquela noite de Natal.

Na guerra, você nunca sabe quando pode perder a sua vida. E é por isso que você deve apreciar cada momento dela. Ele mesmo fez um brinde a isso.

É justamente por ele ter me ensinado a valorizar o presente que eu…

Estou lutando para valorizar essas preciosas lembrançasmomentos.

Anna: “Então, o que você está esperando?! Eu estou desafiando você, então aceite!”

Lotus: “Mesmo que diga, mentalidade é muito importante para um homem…”

Anna: “Você está dizendo que não vai se levantar comigo, é issooo?!”

Eu não consegui deixar de gritar ao pensar no significado daquelas palavras que estavam sendo ditas. Se realmente for esse o caso, eu poderia acabar sendo despedaçada agora mesmo.

Com isso dito, eu realmente não consigo sentir nada rígido debaixo de mim!

Anna: “D-Deixe comigo! Vai ficar tudo bem! Eu tenho bastante experiência, então vai ser moleza deixar um homem tímido você no máximo! V-Você pode deixar tudo com a Onee-san aqui! Então, e-eu vou levá-lo ao p-paraíso!”

Lotus: “Pff——”

Anna: “Eu disse para não rir!!!”

Lotus: “Ei… Não chore.”

Anna: “Não estou chorando!”

Dizendo isso, as lágrimas voaram quando eu comecei a sacudir a cabeça enquanto meu cabelo batia na cara idiota dele diversas vezes. Isso tudo fez parecer ainda mais patético ao ponto de sentir vontade de desistir.

Anna: “Ah… poxa…”

……No fim, eu cheguei no meu limite. Eu já não tenho mais forças nem para socá-lo. Eu não sei mais o que fazer.

Quando eu estava para admitir a derrota, eu ouvi um leve suspiro.

“Eu quero um filho seu, Lotus…”

Um suspiro que quase desapareceu junto ao som do ranger da cama.

Lotus: “Hã?”

Anna: “Hã?”

Quem foi que disse isso? Eu?

Lotus: “Ah.. hã? O que disse?”

Anna: “Hã? Hã? Ueeeeeeeeee!”

E-E-E-E-E-Espera!——

Anna: “N-N-Não! Eu não disse nadaaaa!”

Lotus: “Você quer um filho…”

Anna: “Perca suas memóriaaas!”

Lotus: “——Gofu! Não me soque no estômago!”

Ah… ah… é mesmo. Eu deveria socar ele na cabeça.

Anna: “E-Espera, não foi o que eu quis dizer!”

Ele agarrou meu braço quando eu o estendi em direção ao vaso de flores.

Lotus: “Se acalme! Vamos, fique calma! Vamos respirar fundo, certo?”

Anna: “SUUU, HAAA”

Lotus: “Isso, viu só?”

Anna: “Moraaaaaa!”

Lotus: “Por que fez ainda pior agora, suaaaa!”

*dottanbattan, kunnzuhoguretsu*

Há quanto tempo já estamos brigando? Eu perdi completamente a noção do tempo. Eu olhei para esse idiota que se recusava a permitir que eu desse um único golpe satisfatório.

É embaraçoso e irritante continuar com isso. De alguma forma, isso fez com que eu me sentisse em um estado de compreensão.

Anna: “Você acha mesmo que pode vencer essa guerra?”

Eu fiz uma pergunta sincera, mesmo só tendo percebido quando disse a ele. Eu percebi que essa era a minha verdadeira esperança.

Eu quero ter um filho dele. Para conectar nosso presente com o futuro.

Afinal, nós não fizemos aquele brinde, jurando estar sempre olhando para frente?

Anna: “Eu sei que você está se esforçando. Eu entendo que o Michael é incrível.”

“Mas, Lotus… não é o suficiente. Vamos perder.”

Mesmo eu, uma simples garota da cidade consegue entender que essa guerra está perdida.

Provavelmente não vai levar um ano para que Berlim caía.

Esse rumor já está se espalhando, os soldados já estão exaustos.

Mesmo que possa parecer estar bem, não posso deixar ele ficar brincando como se fosse um herói. Eu não consigo tolerar isso.

Eu tenho peitos pequenos. Eu não consigo nem fazer com que ele se empolgue dessa forma.

Anna: “Por isso, por favor, me deixe olhar para o futuro… Eu quero preservar esse momento para continuar conectada a você no futuro.”

Lotus: “Isso é o que a Riza……”

Anna: “Sim, eu tomei as palavras dela.”

Sendo uma oficial de Lebensborn, eu realmente não deveria me referir a ela sem adicionar um título, mas apesar da posição, ela trata a todos de forma igual, como amigos.

Uma nação, assim como uma família, não pode existir sem mulheres e crianças.

Por isso devemos dar à luz a novas vidas, criá-las e protegê-las, para que elas se tornam a luz que ilumina o nosso futuro.

E agora, eu começo a concordar com essa forma de pensar dela.

Anna: “Eu não quero pensar que você vai morrer. Eu não quero isso, mas Lotus, não é exatamente por isso? Assim como os homens lutam com o seu corpo, as mulheres também têm seu próprio campo de batalha, não é?”

Lotus: “……………”

Anna: “Me deixe dizer mais uma coisa. Eu não quero ser a única a ser deixada para trás.”

Riza, Eleonore, Beatrice, aquele Michael, o Padre… todos eles decidiram o seu campo de batalha.

E mesmo assim, eu não tenho nada. Esse sentimento de inferioridade é a única razão pela qual eu não consigo ter confiança em mim mesma.

E é por eu nunca consegui coragem para persegui-lo, não importa o quanto eu tente, que eu me arrependo.

Anna: “Por isso… eu quero ter coragem.”

Eu quero a luz. Eu quero poder abraçar esse momento.

Anna: “Ei, não pode me ajudar? Eu quero um filho seu.”

Lotus: “Eu…”

Anna: “Além disso, eu só a única estranha que assumiria um compromissos com você.”

Lotus: “Sua…”

Nós dois demos um amargo sorriso.

Sim, bem… assim está bom. Essa coragem é mais do que meus pequenos peitos conseguiriam suportar.

Daqui pra frente, a cada dia, eu passarei nutrindo a criar o desejo dele.

Coragem não é algo que você adquire. Mas dar à luz e criar, é algo que lhe é dado.

Lotus: “Certo, então eu tenho duas condições.”

Anna: “O quê?”

Lotus: “Primeira: meu filho, ou meu neto, eu gostaria que ele pudesse viver no Japão.”

Ele piscou de forma infantil para mim. Eu pensei que isso fosse mais uma das brincadeiras dele, mas…

Lotus: “Eu gostaria de poder ir, mas eu não sei se vou conseguir isso, e também não vai ser algo imediato. No começo pode ser difícil, mas você pode pedir a Riza e a Beatrice. Use suas conexões.

Eu não sei o motivo, mas eu sinto que eu devo realizar o desejo dele, não importa o que aconteça.

Lotus: “Desde aquele dia no Natal, eu quero muito poder ir ao Japão. Por favor, Anna, faça isso por mim.”

Anna: “…………”

Lotus: “Não pode?”

Anna: “Não… Tudo bem.”

Os motivos dele são um completo mistério para mim, e eu não sei quando eu vou poder cumprir essa promessa.

Afinal, se ele quer tanto assim ir ao Japão, eu sinto que ainda posso acabar encontrando ele no futuro, independente do que aconteça.

Anna: “Então, qual o outro?”

Lotus: “Ah… Na verdade, esse vai ser o mais complicado.”

Dessa vez ele estava com uma expressão séria, como se estivesse ponderando algo——

Lotus: “Parece que eu não vou conseguir levantar.”

Anna: “…………”

Lotus: “Bem, é mesmo um problema. O que eu faço? Você não acha que poderia imitar a voz da Riza? Ela é super erótica, e sinto que poderia me excitar em um piscar de olhos.”

Anna: “………………”

Lotus: “Por favor?”

Anna: “Bu……”

Lotus: “Bu?”

Ei, alguém traz um Panzerfaust.

Anna: “Eu vou matar você, seu molenga desgraçadoooo!”

Então, como os sonhos e esperanças da jovem foram despedaçados e soprados para longe, sendo um insulto à sua primeira experiência, que foi jogada na lama.

Finalmente o momento em que ela pôde agarrar aquela estrela que ela tanto desejava. Uma noite que permaneceria marcada no gentil coração da Anna-chan e nunca seria esquecida.

QUE A ESTRELA QUE RASTEJOU PELO CHÃO ENCONTRE A FELICIDADE

QUE AS VELHAS PROMESSAS SEJAM CUMPRIDAS